domingo, 23 de agosto de 2015

Padre Zezinho...

     Nos dias atuais, tornou-se comum encontrarmos padres, pastores e missionários que evangelizam por meio da música. Na época de minha adolescência, não era bem assim. E hoje, lembrei-me de um sacerdote que, mesmo sem saber, ajudou-me a passar pelos momentos mais difíceis de minha vida...

     Com a palavra sempre firme - tanto nas pregações como em suas canções, ele não me deixou parar de crer na infinitude da bondade e misericórdia divina.

     Não foram raras as vezes em que, escondida em um cantinho da casa, eu ouvi o cd "Quando a tristeza chegar”, confiando que absorver aquelas palavras não me permitiria tratar o mundo com amargura.

      E essa postagem é apenas para agradecer...


      Obrigada, Padre Zezinho!

domingo, 9 de agosto de 2015

Relembranças...

Há dezesseis anos, o Dia dos Pais tem um significado diferente pra mim.
No início, eu fazia de conta que não sentia, fingia que era uma data normal e tentava vivê-la despretensiosamente. Com o tempo, todo aquele sentimento sufocado transformou-se em isolamento. E hoje, espero, com angústia, que esses oitenta e seis mil e quatrocentos segundos passem velozmente.
Perder um pai tão carinhoso, generoso e responsável deixou-me não somente órfã. Há dezesseis anos, vivo com metade das minhas forças, metade da minha alegria e metade dos meus sonhos...

                        (DIAS, Milton. Relembranças. Fortaleza: Ed. UFC, 1985.)