quarta-feira, 29 de julho de 2015

Eu e elas...


Nas férias escolares, elas são minhas, na acepção mais terna que o possessivo consiga traduzir.

A gente conversa, reza, brinca, estuda, passeia, faz as refeições juntas (que delícia ouvir um "passa a margarina, por favor"), tudo com tanta sintonia que é fácil entender por que, nos demais períodos do ano, nossas distâncias são, tão somente, físicas.

Acordar com um sorrisão de bom dia da minha Maricota e receber pessoalmente a benção de minha mãe alimentaram a alma...




... E chegar em casa hoje sem ter uma pessoinha escondida esperando a titia passar para dar um susto e um abraço bem apertado vai ser mole não...