quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Amor Maior...

O pai estava angustiado. E minha hora e meia de doação de aféreses (plaquetas) foi tomada pelo mesmo sentimento...
O filho iria ser transplantado, mas o número de plaquetas estava baixo demais. Necessitava, com urgência, de doação. Ao passar pela triagem do Hemocentro, o pai descobriu que não poderia ser o doador que o filho precisava, por estar fazendo uso de antibióticos. E o desespero daquele pai só aumentava...
Na tentativa de localizar um possível doador, assistentes sociais e enfermeiras fizeram várias chamadas telefônicas. Contudo, dada a raridade do grupo sanguíneo exigido (“B”), não conseguiram. Foi quando uma das enfermeiras olhou fixamente os olhos do pai e disse: "Deus não irá desampará-lo".
Passados alguns minutos, alguém bate à porta da sala em que estávamos todos, e um homem de meia idade e semblante brando entra.
-“Com licença”, disse o rapaz. “Vim fazer doação de aféreses”.
-“A doação será em nome de quem?”, perguntou a enfermeira.
-“É uma doação voluntária”, respondeu.
-“Qual seu grupo sanguíneo?”, continuou questionando a profissional.
E o silêncio foi geral...


Respeito opiniões em sentido contrário; mas, sinceramente, eu não saberia viver sem acreditar no infinito Amor de Deus.