sexta-feira, 29 de novembro de 2013

"Homofobia no trabalho: você não tem esse direito"...

É muito gratificante quando você vê o Direito a serviço do direito. Apesar de parecer redundante, muitas vezes, não é bem o que se vivencia no meio jurídico, e, ao se buscar efetivar os direitos e garantias previsto na Constituição da República, tem-se, praticamente, uma "via sacra".    

     Hoje, foi lançada em João Pessoa (PB) uma campanha contra a discriminação no trabalho, fruto de uma parceria do Ministério Público do Trabalho (MPT) e Movimento do Espírito Lilás (MEL). Intitulada de "Homofobia no trabalho: você não tem esse direito", visa a conscientizar os empregadores e cidadãos paraibanos sobre as consequências nefastas dessa prática ruidosa ou silenciosamente executada. 



   

     Uma das definições mais interessantes que já ouvi sobre o Direito foi que é a "ciência de entregar a cada um o que é seu", podendo esse "o que é seu" tratar-se de uma coisa ou de bens imateriais, como a honra, a dignidade e até a própria vida. E creio que hoje se tem divisor de águas na busca pela entrega de inúmeros direitos (no trabalho e na sociedade como um todo) que, diuturnamente, são negados à população LGBT.  

     Já devo ter visto o vídeo acima indexado algumas dezenas de vezes, tendo tido o privilégio de participar do Projeto desde que ele ainda era apenas ideia; mas, cada vez a que assisto novamente, é como se fosse a primeira, de tanto que ele me emociona...

     Parabéns ao Dr. Eduardo Varandas (Procurador do Trabalho), a Renan Palmeira (Presidente do MEL), e à agência de publicidade TAGZAG (que transformou um sonho em realidade)!

domingo, 24 de novembro de 2013

Opinare...

Nesse mundo de informações tão rapidamente difundidas, o sonho da vida de muitos tem sido ser "formador de opinião virtual". O TEP (Tribunal Especial da Internet), instituição máxima do Ordenamento Jurídico Internacional, dita regras de comportamento de tal forma que chega a ser um acinte pensar em conceitos como "respeito", "escolha", "liberdade", "direito", "educação", "gentileza" etc etc etc.
Já pararam para ler aqueles comentários de "leitores" que fica no finalzinho de uma matéria? Eu confesso-lhes: minha vida ficou mais leve depois que adotei a postura de finalizar a leitura de uma notícia assim que o autor da postagem a encerra. É tanta maldade, tanto preconceito (por raça / orientação sexual / divergência religiosa / poderio econômico / pseudo intelectualidade) que dá até medo de pensar no nosso futuro...
Que dificuldade é essa que a gente tem de criticar sem desrespeitar, de discordar sem ser cruel? Que direito é esse que supomos ter de impôr ao outro como ele deve se vestir, a quem deve amar, em que Deus acreditar? 
Ao que parece, a "sociedade virtual" tem conseguido ser ainda mais desumana q a real...

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Direito ao avesso...


    Tem horas em que a expectativa de que você sempre tem que agir de uma determinada maneira (pelo seu "padrão de comportamentos") sufoca. É como se você já não mais fosse livre para fazer suas escolhas (e ser responsável por elas) porque alguém, sem pedir a sua autorização, construiu uma imagem sua que traz um rol taxativo do que pode ou não ser feito por você sem que abale tal construção. 

      Mas, quem foi que disse que perfeição se encaixa na definição de humano?

   É fato: se não damos aos nossos familiares, amigos e amores o direito de errar, encurralando-os na ficção dos nossos regramentos, acabamos por afastá-los.

     Não sei até que ponto essa projeção que fazemos no outro é uma extensão do nosso desapontamento com nossas próprias limitações; o que sei é que ninguém deve caminhar tendo o acerto por obrigação...

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Maricota...



Aos 19 anos de idade, eu queria ter treze filhos (“dois times de vôlei e um reserva”, brincava eu à época com quem se assustava com a declaração. Rs...)! E não era demagogia. É que sempre tive muita identificação com essas pessoinhas tão verdadeiras e que aprendem tudo (tudo mesmo, de bom e de ruim também, dependendo dos exemplos de vida) de forma tão ingênua e natural que, caso pudesse, cercar-me-ia delas em todos os meus espaços de convivência. 

Contudo, antes mesmo de eu pensar em começar a montar meus times de vôlei (Rs...), a vida me trouxe uma sobrinha, que, emmbora não tenha nascido de mim, carrega um pedaço do meu coração consigo...

E hoje é uma data muito especial: dia de agradecer a Deus a vida dessa criança que, há exatamente 9 aninhos, traz sorrisos e encantamentos ao meu viver! Uma criança linda, inteligente, meiga, alegre e que gosta muito de ajudar os outros! Um doce de ser humano a todos que têm a oportunidade de conviver com esse raio de luz!

Maria Carolina, você é tesourinho mais importante da vida da titia! E eu não saberia dizer o quanto te amo, meu amor, porque é tanto que às vezes nem cabe dentro de mim...

     Que o Papai do Céu a conserve essa criança tão amável e admirável, concedendo-lhe muita Saúde e Paz (como o tempo, você aprenderá que são o que realmente importam), e que a mãezinha do Céu a proteja de todos os perigos!

     A titia estará sempre ao seu lado, meu amor, em todos os momentos de sua vida!

Um beijo beeeeeeeeeeeem grande,

Da sua titia bobona, que não para de chorar desde que começou a escrever...